segunda-feira, 31 de março de 2008

A espera

A espera Segundos, horas, dias intermináveis… Pedes a Deus que leve este tempo de solidão… Embora saibas que estas dores, por ti dispensáveis, São fundamentais para uma equilibrada reflexão! Teu ser divaga entre o vazio e a tristeza, A situação adquire as linhas que limitam teu ser… Tentas ver em cada dia um pouco de beleza, Mas a falta de amor, e a solidão fazem-te sofrer! Assim vês a imagem da tua existência, Um coração sofrendo o vazio, sangrando Num ambiente sinuoso… Buscas no teu dia-a-dia a paciência, Para confortar um peito que se vai desleixando, Mas te afundas levemente num caminho triste e perigoso!... Caty

Um comentário:

Magnet disse...

...no entanto algo surge do vazio imaginário, tão irreal quanto a minha não existência... paciente vou encontrando antídoto para o que mais me desalenta... A paixão pelo pormenor deixa antever tudo aquilo que posso imaginar... no entanto, este dom, esta capacidade, não é mais nem menos que uma mera vaidade. A selectividade aliada à perfeição faz sofrer todos aqueles que a deixam vencer, mas, ao contrário do que do que pensava as semelhanças existem, sempre , sempre, sempre, para te proteger... E se um dia pensares que tudo foi engano, alguém aqui estará apenas para te dizer que todo esse pensamento não tem razão de ser...
Agora sim, flutuo levemente... *